top of page
  • diogoalbuquerquebs

As pessoas não gostam da tecnologia, mas da facilidade: uma abordagem de IA bottom-up




Por Diogo Ferreira



A inteligência artificial (IA) tem potencial para transformar diversos aspectos de nossas vidas, desde a forma como trabalhamos até como nos comunicamos e nos divertimos. No entanto, para que essa transformação seja realmente significativa, é crucial que a IA seja amplamente adotada e utilizada por um grande número de pessoas. Existem diversas estratégias que podem ser utilizadas para esse fim. Nesse artigo vamos discutir algumas delas e fazer comparações com outras tecnologias que foram adotadas amplamente, e as lições que podemos tirar delas. Em vez de focar apenas nas complexidades técnicas e nas engrenagens da IA, precisamos de uma abordagem bottom-up, onde os usuários finais se familiarizem e incorporem a IA em suas atividades diárias por meio de aplicativos intuitivos e acessíveis.


Eu tenho pesquisado muito sobre estratégias de capacitação de Inteligência Artificial. No Poder Judiciário, especialmente no Conselho Nacional de Justiça onde trabalho, temos adotado duas vertentes diferentes. Por um lado a plataforma Sinapse tem tido um grande repositório de aplicações de IA no Poder Judiciário, contando com 140 até o momento. Por outro, o Programa Justiça 4.0 está oferecendo uma série de capacitações em IA que vão desde Introdução a IA no Poder Judiciário, passando por Machine Learning, Mineração de Dados, Ciência de Dados, entre tantos outros. São duas formas diferentes e complementares de apoiar a implementação da IA. Hoje vamos discutir uma terceira “frente de batalha”.


Historicamente, a adoção em massa de tecnologias revolucionárias seguiu um padrão semelhante. Nos anos 80, Steve Jobs visionou uma era em que os computadores pessoais seriam tão fáceis e intuitivos de usar que qualquer pessoa, independentemente do seu conhecimento técnico, poderia se beneficiar deles. Esta visão foi concretizada com o lançamento do Macintosh, que marcou uma mudança significativa, passando dos computadores restritos a técnicos e engenheiros para ferramentas essenciais no cotidiano das pessoas.


Da mesma forma, a internet e a telefonia móvel seguiram trajetórias similares, inicialmente atraindo um público especializado e, posteriormente, sendo massivamente adotadas quando se tornaram mais acessíveis e integradas às rotinas diárias. As pessoas, em geral, não se encantam pela tecnologia em si, mas pela facilidade e praticidade que ela proporciona.


Neste artigo, exploraremos como uma abordagem bottom-up pode ser aplicada à difusão da inteligência artificial, destacando a importância de tornar a IA fácil e prática para o usuário final. Através de exemplos históricos, analisaremos como a simplificação das interfaces e a aplicação prática das tecnologias podem quebrar resistências e incentivar uma adoção mais ampla. Assim como Steve Jobs fez com os computadores pessoais, nossa missão agora é tornar a IA uma ferramenta intuitiva e útil, capaz de facilitar nossas vidas e integrar-se ao nosso cotidiano de maneira natural.



A História da Adoção em Massa das Tecnologia



Nos anos 70 e 80, os computadores eram predominantemente ferramentas utilizadas por técnicos, engenheiros e cientistas. A complexidade das interfaces e a necessidade de conhecimentos técnicos avançados tornavam os computadores inacessíveis para o público geral. Foi nesse cenário que Steve Jobs, cofundador da Apple, visualizou um futuro onde os computadores pessoais seriam uma presença comum nos lares e escritórios de pessoas comuns, independentemente de sua formação técnica.


O lançamento do Macintosh, em 1984, foi um marco nessa revolução. Jobs acreditava que a chave para a popularização dos computadores estava em torná-los acessíveis e intuitivos. O Mac foi projetado com uma interface gráfica amigável, usando ícones e uma estrutura de janelas que facilitam a interação do usuário. Além disso, o uso do mouse como dispositivo de apontamento tornou a navegação muito mais simples e intuitiva, contrastando com os sistemas baseados em linha de comando que eram a norma na época.


Steve Jobs tinha uma visão clara: as pessoas não precisavam entender as complexidades técnicas dos computadores para usufruir de seus benefícios. Ele acreditava que, para que os computadores fossem amplamente adotados, eles deveriam ser projetados de maneira a minimizar a barreira de entrada para os usuários finais. A simplicidade e a intuitividade tornaram-se pilares fundamentais no desenvolvimento do Mac.


Essa filosofia não apenas impulsionou as vendas do Macintosh, mas também redefiniu a indústria de computadores. Empresas concorrentes foram forçadas a repensar suas abordagens, adotando princípios de design que colocavam a experiência do usuário em primeiro lugar. Jobs mostrou que a tecnologia só se tornaria verdadeiramente revolucionária quando fosse acessível e prática para todos, e não apenas para um grupo seleto de especialistas.


Outro exemplo que podemos trazer é o da internet. Nos seus primórdios, a internet era uma ferramenta utilizada principalmente por acadêmicos, pesquisadores e instituições governamentais. O acesso à rede era limitado e complicado, exigindo conhecimento técnico específico para navegar e utilizar os recursos disponíveis. No entanto, com o passar dos anos, a internet começou a se expandir além desses nichos restritos, chegando ao público geral e se tornando um elemento essencial na vida cotidiana.


A transição da internet de uma ferramenta técnica para uma rede global acessível ao público em geral foi facilitada por vários fatores. Entre eles, a introdução do protocolo HTTP e a criação do World Wide Web por Tim Berners-Lee nos anos 90 foram cruciais. Além disso, as aplicações práticas da internet desempenharam um papel fundamental na sua disseminação. O desenvolvimento de serviços como e-mail, motores de busca (ex: Google), plataformas de e-commerce (ex: Amazon) e redes sociais (ex: Facebook) demonstrou o valor prático da internet no dia a dia das pessoas. Essas aplicações transformaram a internet em uma ferramenta indispensável para comunicação, informação e comércio.


Assim como aconteceu com os computadores pessoais, a chave para a popularização da internet foi a simplificação da interface e a demonstração de utilidades práticas que realmente faziam diferença na vida dos usuários. As pessoas não adotaram a internet apenas porque ela era uma nova tecnologia, mas porque ela oferecia soluções práticas para problemas cotidianos, melhorando a eficiência e conectividade.


Outro caso semelhante é o da telefonia móvel, sua evolução é um excelente exemplo de como uma tecnologia inicialmente complexa e restrita pode se transformar em uma ferramenta indispensável para a vida cotidiana. Nos seus primórdios, os telefones móveis eram dispositivos caros, volumosos e limitados a funções básicas de comunicação. O uso desses aparelhos era restrito a empresários e profissionais que necessitavam estar conectados a todo momento, devido aos altos custos e à complexidade técnica.


Com o passar dos anos, no entanto, a telefonia móvel passou por uma revolução. A miniaturização dos componentes, a melhoria das baterias e a redução dos custos de produção permitiram que os aparelhos se tornassem mais acessíveis ao público em geral. O desenvolvimento de redes de comunicação mais avançadas, como o GSM e posteriormente o 3G e 4G, possibilitou uma cobertura mais ampla e uma melhor qualidade de serviço.


A verdadeira transformação, porém, veio com a simplificação da interface e a expansão das funcionalidades dos dispositivos móveis. A introdução dos smartphones, liderada pelo iPhone da Apple em 2007, revolucionou o mercado. O iPhone, com sua interface de toque intuitiva e a App Store, onde os usuários podiam facilmente baixar e instalar aplicativos, tornou os dispositivos móveis extremamente versáteis e fáceis de usar.


A combinação de simplicidade e utilidade foi crucial para a adoção em massa dos smartphones. As pessoas passaram a usar seus dispositivos móveis não apenas para fazer chamadas, mas também para navegar na internet, enviar e-mails, utilizar redes sociais, tirar fotos e acessar uma infinidade de aplicativos que facilitavam suas vidas diárias. A integração de funcionalidades como GPS, câmeras de alta resolução e assistentes virtuais ampliou ainda mais a utilidade dos dispositivos móveis, tornando-os indispensáveis.


A estratégia de tornar a tecnologia fácil e intuitiva, que foi fundamental para a adoção em massa de computadores pessoais com o Mac, a disseminação da internet e a popularização da telefonia móvel, é igualmente relevante para a inteligência artificial. Para que a IA seja amplamente adotada, é crucial criar interfaces amigáveis e aplicações práticas que resolvam problemas reais dos usuários sem a necessidade de compreensão dos complexos mecanismos subjacentes. Seguindo o exemplo dessas tecnologias, a IA deve ser apresentada de forma acessível e prática, garantindo que se torne uma parte integral e benéfica da vida cotidiana, melhorando a eficiência das tarefas diárias e facilitando sua adoção em larga escala.


Paralelo com a Inteligência Artificial


Nos primeiros anos de desenvolvimento, a inteligência artificial generativa, especialmente na forma de modelos de linguagem avançados e redes neurais, atraiu principalmente pesquisadores, tecnólogos e entusiastas da tecnologia, fascinados pelas capacidades promissoras da IA, como a geração de texto coerente, a tradução automática e a criação de obras de arte digitais. Aplicações como assistentes virtuais, chatbots e ferramentas de automação começaram a emergir, demonstrando o potencial da IA para transformar diversas indústrias. Esses “early adopters” (primeiros usuários de uma nova tecnologia ou produto, geralmente entusiastas ou profissionais da área), desempenharam um papel crucial no teste e aprimoramento dessas tecnologias, fornecendo feedback valioso e impulsionando inovações contínuas. No entanto, a adoção ampla da IA foi limitada por diversos desafios, incluindo a complexidade técnica que exige conhecimentos avançados, os custos elevados de desenvolvimento e implementação, a falta de confiabilidade dos modelos, que frequentemente geram resultados inconsistentes ou imprecisos, e as questões éticas, como preocupações sobre privacidade, viés e o potencial para uso indevido, que levantam debates importantes e precisam ser abordadas.


Para que a inteligência artificial alcance uma adoção em massa, é fundamental simplificar as interfaces e as aplicações de IA. Assim como aconteceu com os computadores pessoais e a internet, a chave para a popularização da IA reside na criação de ferramentas intuitivas e fáceis de usar, que não exijam conhecimentos técnicos avançados. Desenvolver interfaces gráficas intuitivas que permitam aos usuários interagir com a IA de maneira visual e direta, como assistentes virtuais e aplicativos móveis que utilizem comandos de voz e toques, é essencial. Além disso, é importante focar no desenvolvimento de aplicações práticas e relevantes que resolvam problemas reais do dia a dia, como assistentes de produtividade, ferramentas de automação doméstica e soluções personalizadas para empresas e organizações públicas. Programas de treinamento acessíveis que ensinem os usuários sobre as capacidades da IA e como integrá-la em suas rotinas diárias também são cruciais para diminuir a resistência inicial.


Alguns exemplos notáveis de sucesso na popularização da inteligência artificial incluem assistentes virtuais como Siri, Alexa e o ChatGPT, que se tornaram populares ao oferecerem uma interface de voz ou texto simples e intuitiva, capaz de realizar diversas tarefas, desde configurar lembretes até escrever texto e criar imagens. Ferramentas de tradução automática, como o Google Translate, com interfaces fáceis de usar, permitem que qualquer pessoa traduza textos entre múltiplos idiomas, facilitando a comunicação global. 


Estratégias para Massificar a Inteligência Artificial


Para que a inteligência artificial se torne uma presença comum e indispensável na vida cotidiana, é essencial adotar estratégias que facilitem sua aceitação e utilização. Uma dessas estratégias, como já comentamos, é focar nas aplicações práticas da IA. Exemplos de aplicativos de IA no dia a dia incluem assistentes virtuais, aplicativos de saúde que monitoram atividades físicas e sugerem rotinas de exercícios, e ferramentas de produtividade que automatizam tarefas repetitivas. Esses aplicativos demonstram claramente os benefícios tangíveis da IA para os usuários, como economia de tempo, aumento da eficiência e melhoria na qualidade de vida. Ao destacar essas vantagens práticas, a resistência à adoção da IA pode ser reduzida significativamente.


Outra estratégia importante é oferecer treinamentos amplos e acessíveis que introduzam a IA com foco em aplicações práticas. Programas educacionais que mostram como a IA pode ser utilizada para resolver problemas reais e melhorar processos diários são cruciais para quebrar a resistência inicial. Esses treinamentos devem ser projetados para serem facilmente compreendidos por pessoas de diferentes níveis de conhecimento técnico, usando exemplos do cotidiano para ilustrar o valor da IA. Ao educar o público sobre as capacidades da IA de maneira prática e acessível, podemos aumentar a confiança e a disposição para adotar essa tecnologia.


Além disso, é fundamental criar uma cultura de facilidade em torno da IA, desmistificando a tecnologia e tornando-a intuitiva e user-friendly. Muitas pessoas ainda veem a IA como algo complicado e inacessível, o que pode gerar receio e resistência. Desmistificar a tecnologia envolve também comunicar claramente como a IA funciona, seus benefícios e limitações, de uma forma que seja compreensível para todos. Ao criar uma cultura onde a IA é vista como uma ferramenta fácil de usar e acessível, podemos facilitar sua integração no dia a dia das pessoas.



Conclusão


A jornada para a massificação da inteligência artificial é um caminho repleto de oportunidades e desafios. Assim como vimos com a adoção em massa dos computadores pessoais, da internet e da telefonia móvel, a chave para o sucesso reside em tornar a tecnologia acessível, intuitiva e integrada ao cotidiano das pessoas. A abordagem bottom-up, que enfatiza o uso prático e a simplicidade das interfaces, é fundamental para transformar a IA em uma ferramenta indispensável na vida moderna.


As estratégias para massificar a IA incluem focar em aplicações práticas, oferecer treinamentos amplos e acessíveis, e criar uma cultura de facilidade em torno da tecnologia. Análises de iniciativas bem-sucedidas de treinamento e exemplos práticos de aplicação de IA evidenciam que a educação e a acessibilidade são essenciais para quebrar barreiras e promover a aceitação da IA.


Uma estratégia efetiva de capacitação em IA deve envolver o apoio e patrocínio da alta direção de empresas e órgãos públicos, bem como campanhas de sensibilização sobre a importância e os benefícios que a IA pode trazer. É fundamental utilizar uma linguagem simples e acessível, nos moldes de iniciativas como o Pacto pela Linguagem Simples dos Poderes Judiciário, Legislativo e Executivo para tornar o acesso a serviços públicos e a compreensão de políticas públicas mais claras e acessíveis à população. 


Treinamentos devem abranger desde os princípios básicos da IA até ferramentas práticas, aproveitando o hype da IA generativa para ensinar as pessoas a criar textos, analisar planilhas, escrever códigos com o ChatGPT, e criar imagens com ferramentas como DALL-E, Leonardo.ai e MidJourney. Além disso, é importante incluir a criação de vídeos e avatares, tradução de textos e vídeos, criação de músicas, desenvolvimento de chatbots de atendimento ao usuário, elaboração de resumos e muitas outras aplicações. 


Ao adotar essa abordagem, podemos atrair mais usuários e adeptos da IA, promovendo sua adoção em larga escala e facilitando a integração dessa tecnologia no cotidiano das pessoas.


6 views0 comments

Comments


bottom of page